9 de nov de 2012

Pescando Black Bass

Pomar de Montanha II

                                        Gonden Kiwi (Actinidia deliciosa cv Golden)

                                         Capulin Cherry (Prunus salicifolia)          
                                          Amendoeira (Prunus dulcis)

                                             Rosa mosqueta (Rosa rugosa)

Pomar de montanha

                                             Avelã (corilus avellana)
                                           Feijoa (feijoa selowinia)
                                           Medlar (Mespillus germanica)
                                          Muscadinia (Vitis muscadinia)

17 de out de 2012

Notas de um grande Sommelier

Conforme comentei com você no dia da nossa degustação do Entre Vilas, minha impressão, no primeiro gole, foi de uma agradável surpresa !!  Por que ?
Sabemos que a Pinot é responsável por alguns dos melhores vinhos do Mundo, principalmente em seu lar : a Bourgogne. Uva sensível e geniosa, exige condições climáticas ideais, um cuidado especial com o vinhedo e durante a vinificação por vezes se apresenta muito instável. Realmente das cepas clássicas é com certeza a mais difícil de se transformar em um bom vinho.
Por tudo, não esperava encontrar naquela garrafa o que encontrei......
De um rubi violeta intenso quase azulado, limpidez correta, boa transparência , brilho intenso e presença de um tímido halo aquoso na borda.
No nariz, abriu com muita fruta fresca, cereja principalmente, e aquele mineral que você identificou, interpretei como um aroma terroso. Em determinado momento os aromas se foram ( lembra ? ) mas pouco depois voltaram com um pouco mais de complexidade, uma fruta mais madura, mais perfume, na hora falei em chiclete de tutti-frutti.
Na boca, corpo médio (-), taninos maduros e discretos, textura sedosa, acidez compatível, delicadeza e elegância que normalmente são raros nos pinots normais e muito mais em um vinho artesanal.
Vinho para ser consumido jovem,com toda sua vivacidade e frescor, porém com algum potencial de envelhecimento, mesmo não tendo madeira, talvez mais 2 ou 3 anos(??). Os cristais de tartarato presentes no fundo, precipitam com a maturação ou pelo armazenamento e em nada prejudicam.
Como, via de regra, os vinhos obrigatoriamente passam pela madeira, a tipicidade pura da pinot e de outras uvas importantes como a chardonnay, quase não fazem mais parte da nossa memória olfativa. Numa degustação às cegas, no visual e nariz, não diria que é um pinot, na boca,  talvez...
Outra característica que demonstra qualidade na vinificação é o equilíbrio do vinho e neste caso muito satisfatório na  interação álcool, ácido,açúcar + tanino.
Só me resta parabenizar o winemaker Rodrigo, pelo pioneirismo e coragem de se aventurarem na difícil e nobre arte de produzir vinhos.
Aguardo os próximos exemplares !!!!!!

Walter Padoveze (http://waltersommelier.blogspot.com.br/)

15 de out de 2012

Berry Good agrícola - dá gosto de ver!!

                                                           Equipe Berry Good
                                                    Morangos Cv. Albion
                                                 Packing House
Famboesas 

Estive visitando o projeto da Berry Good em Senador Amaral - MG e fiquei muito satisfeito com o que vi. 10 hectares de morango e 2 ha de framboesa já implantados, onde pude observar o que existe de mais moderno em boas práticas agrícolas e uma equipe de trabalho muito afinada. Pude passar uma agradável tarde em companhia da equipe Hortifrut Chile, com a honra de conversar por horas com Dom Victor Moller, o presidente desta empresa e também compartilhar as experiências do Senhor Alfonso, proprietário da Vinha Santa Rita. Parabéns Jorge Lima e Felipe Salvador pelo excelente trabalho, que estão construindo, e já colhendo frutos, e diga-se de passagem, que frutos!!!!

8 de jan de 2012